; Diretores da Fenafar procuram Sinfar-SP, mas não são recebidos

Sidebar

Magazine menu

09
Seg, Dez
×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 43

Quarta, 04 Fevereiro 2015 19:40

Diretores da Fenafar procuram Sinfar-SP, mas não são recebidos

Avalie este item
(0 votos)

Ronald Santos e Célia Chaves na sede do Sinfar_SP, no detalhe protocolo da Carta
Diretores da Fenafar procuram Sinfar-SP, mas não são recebidos.

 

O presidente da Fenafar, Ronald Ferreira dos Santos, e a tesoureira, Célia Chaves foram nesta quarta-feira, 04 de fevereiro, na sede do Sinfar-SP para conversar com seus diretores sobre a desfiliação do sindicato da Fenafar. O Secretário Geral do Sinfar-SP, Ricardo Murça, estava ocupado e não pôde recebê-los.

 

Carta protocolada em 04 de fevereiroSem serem atendidos, Ronald e Célia protocolaram (foto ao lado), mais uma vez, a Carta aprovada durante o Conselho de Representantes da Fenafar sobre a desfiliação do Sindicato de São Paulo.  Isso porque a Carta já havia sido entregue no Sinfar-SP no dia 19 de dezembro (veja aqui). Desde então, a Fenafar não teve nenhum retorno do Sindicato.

 

A Federação tomou conhecimento da desfiliação nas vésperas da realização da reunião do seu Conselho de Representantes, que ocorreu nos dias 11 e 12 de dezembro, em Brasília.

 

O tema foi discutido na reunião, que aprovou a Carta do Conselho de Representantes da Fenafar em resposta à desfiliação do Sinfar-SP (Leia aqui na íntegra) a ser entregue à diretoria do Sinfar-SP com o objetivo de dialogar com a entidade, procurar conhecer as razões e evitar o afastamento do sindicato paulista da Federação.

 

Apesar da Fenafar não ter sido “convidada para participar de nenhuma reunião da diretoria daquele sindicato e nem da assembleia que teria sido convocada para discutir a desfiliação”, destaca a carta, a Federação e os sindicatos presentes no Conselho de Representantes reconhecem “o direito e a autonomia que todo sindicato tem em definir suas deliberações, inclusive a filiação à Federação”, mas salienta que não pode se “calar diante de um processo que não foi amplamente divulgado para a categoria do Estado, que não permitiu à Federação um espaço para fazer sua defesa e apresentar à categoria a sua versão de fatos e acontecimentos que serviram de argumento para justificar tal atitude. Em particular, o processo de luta contra a MP 653”.

 

O presidente da Fenafar, Ronald Ferreira dos Santos, lamentou mais essa recusa de diálogo por parte do Sinfar-SP e reiterou que como sempre, a Fenafar manifesta a sua disposição para conversar com os companheiros de São Paulo, reafirmando o compromisso da Fenafar de, como diz a Carta aprovada pelo Conselho, “atuar num ambiente democrático, plural, de diálogo aberto e respeitoso às manifestações advindas dos sindicatos filiados. Jamais nos furtamos e não nos furtaremos de debater qualquer proposição. E seguiremos nesta caminhada por entendermos que o fortalecimento da categoria e da profissão perpassa por estes princípios”.

 

Da redação
Publicado em 04/02/2015