; Centrais convocam para março Dia Nacional de Paralisação; confira agenda de lutas - Fenafar

Centrais convocam para março Dia Nacional de Paralisação; confira agenda de lutas

Movimento Social
Tipo de Grafia

Em reunião na sede do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), em São Paulo, na manhã desta sexta-feira 20, dirigentes das principais centrais sindicais brasileiras definiram um calendário de ações contra as reformas da Previdência e trabalhista.

"É importante dar um salto de qualidade na questão da mobilização - nenhum assunto afeta tão negativamente a classe trabalhadora quanto estas mudanças na Previdência. Esta PEC é para judiar, vai atingir quem está e quem não está no sistema. Temos de trabalhar para uma paralisação geral", disse Wagner Gomes, secretário-geral da CTB, no início da reunião.

A agenda consensual eleita no encontro abrange os próximos dois meses e tem o objetivo de construir um movimento de resistência às reformas da Previdência e Trabalhista, com seminário, jornada de debates, mobilização em Brasília, culminando com uma paralisação nacional na segunda quinzena de março.

"As lutas contra as reformas e o enfrentamento do desemprego são os eixos centrais da mobilização unitária do movimento sindical. Com ênfase no combate ao desmonte da previdência pública", diz o vice-presidente da CTB, Nivaldo Santana.

O diretor do sindicato dos metroviários de São Paulo, Flavio Godoi, membro da direção plena da CTB, afirmou que o setor de transportes também trabalha na construção de uma paralisação em nível nacional.

Lideranças da CTB, CUT, UGT, CGTB, CSB, Intersindical e Força Sindical aprovaram o seguinte calendário:

Fevereiro

7 e 8 : Seminário Nacional da Previdência Social

21: Lançamento da Jornada de Debates

22: Mobilização no Congresso Nacional contra as reformas

E no mês de março, em data a ser definida, será o Dia Nacional de Paralisação.

Neste período, as centrais sindicais trabalharão junto a suas bases uma contraofensiva da informação oficial - o objetivo é desconstruir o discurso alardeado em propagandas do governo pelo rádio, TV e redes sociais de que a reforma da previdência é fundamental e inevitável, ainda que estas informações sejam amplamente contestadas por economistas e técnicos da área.

Aliás, nota técnica divulgada nesta quinta-feira (18) pelo Dieese - PEC 287: a minimização da Previdência pública - detalha as mudanças na Previdência, passo a passo, e dá a justa diimensão de seu impacto na vida dos brasileiros de forma geral e das mulheres, idosos e da população da área rural.

"O mais importante é que cada sindicato faça o debate com sua própria categoria. São dois meses para o trabalho de convencimento de que estas reformas não vão ajudar a classe trabalhadora, mas piorar a sua condição. São dois meses para que os trabalhadores dirijam às refomas da previdência e trabalhista a mesma insatisfação que os fazem protestar por aumento salarial", ponderou, ao final da reunião, o dirigente da CTB Eduardo Navarro.

A partir das 15h, também na sede do Dieese, as mesmas lideranças sindicais têm uma reunião marcada com o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira. Na pauta, as reformas trabalhista e previdenciária.

Fonte: CTB

Publicado em 23/01/2017

Artigos