; Sinfarmig aciona Ministério Público do Trabalho para mediar acordo de farmacêuticos hospitalares - Fenafar

Sinfarmig aciona Ministério Público do Trabalho para mediar acordo de farmacêuticos hospitalares

Fenafar e Sindicato em ação
Tipo de Grafia

“Se não houver uma adesão e uma mobilização muito forte dos farmacêuticos hospitalares não conseguiremos fechar uma campanha salarial este ano”. Esta é a conclusão da diretora do Sindicato dos Farmacêuticos de Minas Gerais – Sinfarmig, Júnia Lélis, que tenta negociar desde o mês de maio um reajuste mais justo com o Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Casas de Saúde de Minas Gerais – Sindhomg na Campanha Salarial de 2016.

 

Numa clara demonstração de descaso, a entidade patronal emperrou o processo de negociação e a diretoria do Sinfarmig decidiu, então, acionar o Ministério Público do Trabalho – MPT para mediar o diálogo e buscar um acordo mais digno para os profissionais.

O pedido de mediação é uma forma de manter e, com isso avançar, nas negociações coletivas com os patrões além de aprovar um novo instrumento normativo de trabalho para os farmacêuticos que atuam no setor. A solicitação foi elaborada pelo Sinfarmig que espera desde a data-base da categoria, 1º de junho, por uma proposta decente do Sindhomg.

O Sinfarmig publicou o edital e realizou uma Assembleia Geral no dia 17 de maio para construir a pauta de reivindicações com cláusulas consistentes para atender os anseios dos farmacêuticos hospitalares. Entre as mais importantes a criação de um Piso Salarial no valor de R$4.000,00 para uma jornada de 40 horas. No dia 31 de maio foi realizada a primeira reunião na qual a entidade patronal surpreendeu a todos oferecendo pela primeira vez na história das campanhas o 0% de reajuste.

Na segunda reunião, que aconteceu dia 27/07, a proposta do Sindhomg foi de reajuste 5% com pagamento retroativo a data-base, sem concessão do piso salarial pleiteado. O Sinfarmig entendeu como uma afronta e a categoria recusou a oferta já que os índices oficiais da inflação apontavam 9,49% referente ao período de junho de 2015 a maio de 2016.

A fixação do piso é a única possibilidade de garantir uma remuneração mínima para todos os profissionais. Porém, a entidade patronal nega a reivindicação dos farmacêuticos mineiros. Portanto, os profissionais agora aguardam o MPT marcar uma reunião entre as partes para dar continuidade a negociação da pauta.

O Sinfarmig reitera sua luta em prol da categoria farmacêutica em seus diversos segmentos e convoca todos os farmacêuticos hospitalares a participar da mobilização para que os esforços possam conjuntamente resultar no avanço das conquistas.

Fonte: Sinfarmig
Publicado em 07/10/16

Artigos

UA-480112034-1